ph: diego-ph
Mercado

Vivenciando o Marketing

Você já sentiu aquela pressão por escolher um curso logo após finalizar o ensino médio? Já pensou se realmente fez  escolha certa? Hoje nossa conversa é com a publicitária Grazi Macedo, que nos conta como saiu do curso de Arquitetura, e se encontrou no Marketing Educacional dentro do mercado publicitário.  

Grazi é mineira de 26 anos, apaixonada e movida pela criatividade. É registrada como Grazielle Macedo Chaves, mas prefere ser chamada de apenas Grazi. É formada em Publicidade e Propaganda pelo UniBH, atuando na área de Marketing Educacional a quase cinco anos. Além dos conhecimentos na área da comunicação, Grazi é confeiteira da @Macedoces e aventureira do FitDance nas horas vagas. 

Confira nossa conversa, onde Grazi nos conta um pouco de sua vivência dentro do mercado publicitário, nos dá algumas dicas de conteúdo, e conta também o que não teria feito se pudesse voltar em seu período de estudos durante a faculdade. 

 Bora lá?  

 de Beca: Como você identificou que a área de comunicação era o que você seguiria na faculdade? Teve algum momento que você pensou em outra área? 

GM: Eu sempre fui uma pessoa muito criativa, hoje quando dou uma voltinha pelo meu passado, vejo que sempre fui muito criativa desde criança, nunca aceitei fazer o básico, nunca fiz o “normalzinho”que as pessoas faziam. Desde arrumar uma casinha para brincar até o trabalho da escola, sempre fui a “diferentona”,  mas eu não reconhecia isso em mim antigamente. Uma coisa que eu gostava de utilizar a criatividade era na  arquitetura, e durante os estudos na arquitetura, minha irmã cursava comunicação, e eu trabalhava numa empresa que tratava sobre Publicidade Legal, onde de certa forma já me encontrava nesse ramo, e foi aí que conheci os programas gráficos por meio da  arquitetura. Além disso, teve um momento da minha vida que foi preciso eu parar a faculdade, onde saí da arquitetura. Logo no próximo semestre eu voltei para a publicidade porque eu vi que a minha criatividade não precisava estar só na arquitetura, mas o ponto chave foi quando conheci os programas gráficos, quando eu conheci o processo foi onde eu mais me apaixonei pela publicidade. 

2) Você optou por seguir qual área de atuação dentro da Publicidade ? E como você definiu que nisso você era boa. 

GM: Uma coisa engraçada também na minha carreira dentro da publicidade foi que eu  não fiz escolhas, o destino foi me levando. Hoje tem cinco anos que eu trabalho com marketing educacional, que é uma área que eu apaixonei completamente e não tenho vontade de sair dessa área de tão gostosa que eu acho que ela é. Acho que é uma área precária, e isso me dá mais vontade ainda de trabalhar, e o que eu mais gosto mesmo é rede social. Amo fazer qualquer tipo de trabalho em rede social, acredito que é uma forma muito direta de você chegar até o público e permite um bom espaço para sermos criativos. 

3) Você considera o mercado de BH como um mercado de grande abrangência para profissionais de propaganda? 

GM: Quando entrei na faculdade todo mundo falava que Belo Horizonte era ruim, e que eu deveria ir para Rio de Janeiro ou São Paulo. Claro,  lá tem empresas gigantes que já tem um mercado gigante, mas não acho que Belo Horizonte está com o mercado ruim, mas em contrapartida eu não fui aquela pessoa que foi em busca do mercado,  não cheguei a mandar o currículo para várias empresas, mas vejo pelos meus amigos. Eles trabalham em áreas completamente diferentes e fazem coisas completamente diferentes, para empresas distintas, então acredito que quem busca consegue sim trabalhar em Belo Horizonte para boas empresas.  

4) Se você pudesse NÃO ter feito algo durante a faculdade, o que seria? 

GM: Como desde o início da faculdade eu já trabalhava o dia inteiro, eu já chegava na faculdade cansada, e não me dedicava tanto nas aulas, e isso é uma coisa que eu mudaria se eu  fizesse novamente. E uma aula que hoje eu fico pensando por que não me dediquei muito, foi a aula de fotografia. É uma área que eu gosto e utilizo no meu trabalho, mas não sei tanto a parte técnica, e tive aula na faculdade e não me dediquei a aprender muito sobre. 

5) Durante essa quarentena, o que você sugere aos estudantes de comunicação? 

GM: No início da quarentena era muita gente divulgando cursos online, vários cursos disponíveis, e eu fui uma dessas pessoas que fez várias listas, mas eu não conseguia seguir isso. Ficar de quarentena foi uma coisa muito nova pra gente, então eu tenho sempre um outro tipo de recurso para adquirir conteúdo. Dentro da nossa área de criatividade, o mais importante é ver um pouco de tudo. Veja algo relacionado ao mundo infantil, do mundo jovem, algo da saúde, entretenimento, veja filmes e séries diferentes,  pois dessa forma você vai ter insights quando você tiver trabalhando com qualquer outro assunto e vai te ajudar de uma certa forma adquirir esses diferentes tipos de conteúdos. Mas para quem está disposto, e consegue colocar na sua rotina, tem muitos cursos online para nossa área gratuitos, por exemplo os da Rock Content, com disponibilização de certificados.  

6) Deixe aqui uma dica se série, filme, ou algum conteúdo online que possa ajudar os alunos que seguem nessa mesma área. 

GM: Eu gosto muito de assistir filmes, séries, documentários pra entender como são as pessoas e como será o futuro. Um filme que gosto muito, que retrata a história da empresa  McDonald’s é o filme “Fome de Poder”, onde podemos entender que a realidade nem sempre é mil maravilhas. 

Black Mirror – Uma série para gente entender e fazer crítica sobre o comportamento humano. 

Pastas do Instagram (Função Salvar):  Eu utilizo muito a função de salvar, ela me ajuda bastante pois vou salvando, e crio pastas de marketing, onde consigo consumir conteúdos rápidos e que acabam me ensinando algo ou me dando algum insight. 

Indicações: @dicasdigitais | @esocialmidiamas | @portalpublicitario  

7) Deixe aqui um profissional da área que te inspira, e que possa inspirar outras pessoas. 

GM: Eu nunca fui uma pessoa de ter ídolos, sonho de conhecer alguém distante, pra mim sempre as pessoas que me inspiraram e que tive vontade de estar perto são pessoas que já estão na minha volta. Uma pessoa que mais me inspirou nesse momento na minha área de publicidade foi a minha chefe a Marianne, pois ela esteve comigo desde o início da faculdade até agora, fui aprendendo com ela e admirando a forma dela.  Se vocês gostam de pessoas  não estão tão palpáveis, estudem o caminho deles, mas eu gosto de ter pessoas que me inspiram  próximas de mim, acredito que ajuda muito mais a dar aquele pontapé inicial, porque ela vai estar perto de você nos momentos ruins e nos momentos bons, entendendo mais da sua realidade. 

É meu pessoal, esse mercado de comunicação pega fogo. Você já sentiu também que não está no curso certo? Conta aqui pra gente!!

Você também pode gostar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *